Feira de Mulheres em Belo Horizonte promove autonomia feminina no Campo

Nos dias 9 e 10 de novembro as trabalhadoras rurais ganharam uma nova oportunidade de expor seus produtos e mostrar seu potencial de mercado. Foi realizada em Belo Horizonte pela 1ª vez, a Feira de Mulheres do Campo, evento exclusivo para agricultoras, realizado pela parceria entre a Fetaemg e a Seda.  

Apoiados pela Fetaemg, participaram nove estabelecimentos das seguintes cidades: Tumiritinga, São Miguel do Anta, Virgem da Lapa, Coração de Jesus, Bocaiuva, Ubaí, Mirabela, Pedra do Anta e Ibirité. Foram expostos para venda itens variados, como mel, artesanato em fibra de bananeira, feijão andu, verduras agroecológicas, brinquedos pedagógicos, cocadas, doce de leite, biscoitos doces e salgados, bombons, pão, queijos, conservas, geleias, castanhas, dentre outros.

Assim como na Agriminas, a Fetaemg  investiu e se mobilizou  para a realização da Feira de Mulheres movida pela preocupação em oferecer apoio à agricultura familiar, para estimular a produção de alimentos saudáveis, promover melhorias na vida dos rurais e principalmente, destacar o papel feminino neste processo. “Esta feira tem um diferencial por ser exclusiva para mulheres. O nosso objetivo é mostrar a força da mulher do campo e defender a sua autonomia econômica. Muitas mulheres hoje são responsáveis pelo sustento de sua família e ainda não recebem da sociedade o reconhecimento merecido, precisamos reverter isso e valorizar o trabalho de todas.”  Declarou Vilson Luiz da Silva, presidente da Fetaemg.

E o esforço da Fetaemg fica muito claro na satisfação das trabalhadoras. A agricultora Lisângela Oliveira, da cidade de São Miguel do Anta, ficou entusiasmada com as vendas. “Em menos de dois dias nossa barraca já ficou vazia. Conseguimos representar um pouquinho do que produzimos em nossa cidade, em nossa casa, e isso é muito gratificante. Só tenho a agradecer o apoio da Fetaemg, que organizou tudo para nós e também ao meu sindicato, que sempre nos apoia. ” Afirmou.

Para a coordenadora da Comissão Estadual de Mulheres da Fetaemg, Alaíde Bagetto, este espaço é essencial para que as mulheres conquistem mais respeito e também, mais consciência sobre a sua importância. “É recompensador ver a satisfação das mulheres na feira, não tanto pelas vendas, mas pelo sair de sua comunidade para alcançar novos espaços, participar de um ambiente onde elas têm mais visibilidade, autonomia e adquirem mais conhecimento. ”

Além do evento, foi produzido um livro com o diagnóstico sobre a realidade das mulheres do campo. Nele, constam dados e a biografia de 12 mulheres do campo. A previsão é de que a obra seja lançada até o início de 2018.

0
0
0
s2sdefault